O que preciso fazer para ser tradutor?

 

 

cris achcar tradutora
Cris Achcar tradutora intérprete

 Não raramente, os que trabalham com tradução ou interpretação se deparam com essa pergunta vinda de um amigo, conhecido ou parente: “Eu sou muito bom em tal idioma; o que preciso fazer para “virar” tradutor?”.

Bem, essa pergunta exige uma resposta direta e sem eufemismos: ESTUDAR. Além de reunir outras habilidades que só o tempo e os tropeços poderão dar. Além de algo que quase sempre esquecemos de mencionar: se você pretende traduzir do inglês ou espanhol, ou algum outro idioma, para o português, você precisa ser BOM, mas MUITO BOM em PORTUGUÊS já que esse idioma será o idioma de chegada. Caso contrário não estamos falando de “tradução” e sim, “versão”( que é quando nós brasileiros, por exemplo, passamos um texto do português para um idioma estrangeiro).

Nesse trecho de um texto escrito pelo colega, Danilo Nogueira, encontramos a resposta e analogia perfeitas para definir o que é ser um tradutor(nesse caso podemos aplicar esses pontos também para o trabalho de interpretação) e o mais importante: traz insights muito interessantes e algumas verdades que podem “doer” mas são necessárias no momento de iniciar uma carreira. Encarar as coisas com seriedade demonstra não só o respeito que você terá por essa profissão, mas também pelos seus colegas. Uma pessoa que “sabe” um idioma e se oferece para trabalhar de tradutor ou intérprete está tirando o trabalho de alguém que estuda há anos, lê, participa de Congressos, encontros, investe na profissão para melhor atender seus clientes.

E um alerta para las EMPRESAS QUE BUSCAM UM TRADUTOR ou INTÉRPRETE: procure saber se esse profissional tem experiência na função, se tem estudos suficientes para respaldar a função que vai desempenhar e se os últimos clientes que ele atendeu ficaram satisfeitos com o resultado do projeto.

“É necessário profissionalizar-se, quer dizer, tradução não é bico. Ou você é tradutor profissional, ou não é.

Danilo Nogueira disse..

Nem todo mundo leva jeito para profissional da tradução. Precisa muita disciplina, vontade de pesquisar, habilidade para gerenciar finanças pessoais e clientes, quer dizer, uma porção de qualidades que muita gente não tem. E os serviços mais bem pagos vão para os profissionais, para a gente que investiu muito tempo e dinheiro para cobrir aquele enorme buraco que separa o “saber inglês” do “ser tradutor”. Aliás, traduzo exclusivamente finanças e inglês e não me falta serviço.

Não há nada de especial em “morar no interior e trabalhar no exterior”. Como tradutor, você “mora” na Internet e pode tanto ter clientes num país como em outro. Tenho clientes em quatro países e estou longe de ser uma exceção. Curiosamente, não tenho um só cliente na região em que moro e raramente me aparece algo da cidade de São Paulo, que fica aqui do lado. Quanto ao número de línguas, o grosso do mercado é inglês, depois vem o espanhol e, em seguida, francês alemão e italiano, mais ou menos nessa ordem. Se você tem um grande amor, digamos, pelo búlgaro, estude e, se aparecer uma tradução, faça. Mas viver de búlgaro é impossível. Nesse caso, você teria que fazer uma outra “das grandes” para ganhar dinheiro.

Por outro lado, saber várias línguas não é a solução, porque é muito difícil saber várias línguas no nível necessário para traduzir e, além disso, cada língua exige um investimento  a mais. Porém, o que limita o seu ganho é o número de horas que você consegue trabalhar, não o número de línguas que você conhece. Saber cinco línguas é como ter um táxi, uma carreta, um furgão e um micro-ônibus: como você não pode dirigir todos ao mesmo tempo, acaba sendo um mau investimento.”

Danilo Nogueira

Cris Achcar

Tradutores do Brasil

 

Anúncios

Valores: diária de interpretação Simultânea, Consecutiva, Acompanhamento

VALORES DE REFERÊNCIA DE 2019

Sintra

 

TRADUÇÃO JURAMENTADA

Os valores dos emolumentos de “tradução e versão juramentadas” são estabelecidos pelas juntas comerciais de cada estado, e devem ser consultados nos sites das juntas, disponíveis na Relação das Juntas Comerciais Conveniadas no site da Receita Federal.

INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA

Como a “interpretação é uma atividade que exige concentração extrema e gera grande desgaste, os intérpretes trabalham sempre em dupla. Somente trabalhos com duração máxima de uma hora permitem a execução por um único intérprete”.

As boas práticas nacionais e internacionais indicam que a diária de “interpretação” deverá ter uma duração de 6 horas, sendo descontado somente o período do almoço na contagem de horas, mas não coffee breaks ou outras pausas menores que o almoço. Após o período de 6 horas, são cobradas horas extras.

Em caso de gravação ou transmissão por streaming, um valor de cerca de 30% costuma ser adicionado sobre a tarifa de base de 6 horas da “interpretação a título de direitos de autor”.

Em trabalhos que necessitem de deslocamento demorado, é comum a cobrança de 50% do valor de uma diária por dia de deslocamento, como compensação por lucros cessantes.

CENTRO-OESTE

DISTRITO FEDERAL (DF), GOIÁS (GO), MATO GROSSO (MT), MATO GROSSO DO SUL (MS)

Taxa de administração/coordenação 5% a 10% a combinar.

SUDESTE

ESPIRITO SANTO (ES), MINAS GERAIS (MG), RIO DE JANEIRO (RJ), SÃO PAULO (SP)

Taxa de administração/coordenação 5% a 10% a combinar.

 

SUL

PARANÁ (PR), RIO GRANDE DO SUL (RS), SANTA CATARINA (SC)

Taxa de administração/coordenação 5% a 10% a combinar.

 

INTERPRETAÇÃO DE LIBRAS

Clique para abrir a lista de valores de referência para tradução/interpretação de Libras (língua de sinais).

TRADUÇÃO DE MULTIMÍDIA”

 

“TRANSCRIÇÃO DE ÁUDIO”

 

FILMES PARA CINEMA

 

VÍDEOS PARA TELEVISÃO OU EM GERAL

 

TRADUÇÃO PARA DUBLAGEM

Para cinema ou TV, dadas as condições acima: 2 x o valor da legendagem

 

OUTROS SERVIÇOS DE MULTIMÍDIA

Sintra

Tradutores Brasil

Quanto cobrar por um trabalho de tradução?

Quanto ganha um tradutor por hora?

Qual o valor de uma tradução juramentada?

 

Tradução juramentada,Oque é?

Diferentemente de textos como um livro, um manual técnico ou um artigo científico, que podem ser traduzidos por qualquer pessoa que se sinta habilitada para tanto, um documento emitido em língua estrangeira que precise ter validade oficial no Brasil (certidões, contratos, procurações, documentos pessoais e acadêmicos, por exemplo) só terá existência legal no país se traduzido por um tradutor público (ou juramentado) concursado e habilitado pela Junta Comercial do estado onde reside e atua.

Ou seja, nenhum documento redigido em idioma estrangeiro tem validade no Brasil, se não vier acompanhado da respectiva “tradução juramentada”. A “tradução” apenas acompanha o original, mas não o substitui.

Esta exigência decorre do Decreto Federal nº 13.609 de 21.10.1943 e a tradução juramentada tem fé pública, ou seja,  reflete oficialmente em português o conteúdo do original na língua estrangeira. As versões feitas por um “tradutor juramentado” para outros idiomas são reconhecidas por muitos países. Entretanto, há exceções e é essencial verificar previamente se uma tradução feita aqui será aceita no exterior.

É atribuição também do “tradutor juramentado” atuar como “intérprete” em juízo, em cartórios ou outros locais onde haja necessidade de “interpretação”, por exemplo, em casamentos de brasileiros com estrangeiros, na compra e venda de imóveis por estrangeiros, registro de filhos de estrangeiros nascidos no Brasil, em audiências etc.

A tradução juramentada reproduz fielmente o conteúdo do documento original.

Para saber se um tradutor está realmente habilitado para atuar como tradutor juramentado, basta verificar se o seu nome consta da relação de tradutores divulgada no site da

Jucesp

Junta Comercial.

Site oficial

tradutores de São Paulo

Crisachcar tradutora

 

Os intérpretes nos grandes impérios da antiguidade até hoje

Os Intérpretes ao longo da História

Postado por Cristina Achcar prof Tradutora intérprete

09 de Outubro de 2019

Referimo-nos, em muitas ocasiões, ao domínio da “interpretação”, às suas diferenças com a “tradução” e às aptidões que qualquer bom intérprete deve desenvolver. Neste artigo vamos nos aprofundar na história desta profissão e como, desde os primeiros tempos, ela evoluiu para o que conhecemos hoje. Porque, mesmo que algumas pessoas não acreditem, para encontrar o primeiro “intérprete é preciso voltar à Idade Antiga e, como não poderia deixar de ser, seu nome nunca aparecerá na história, pois naquela época eram pessoas completamente anônimas”.

6-1024x681.jpg

Embora a interpretação simultânea tenha suas origens nos julgamentos de Nuremberg, outros tipos de interpretação, como a “interpretação consecutiva” e sussurrada, tiveram grande relevância em diferentes períodos da história, a começar pela época antiga.

Os três grandes impérios da antiguidade sempre contaram com a existência desses personagens anônimos que em cada cultura tinham uma importância diferente e sua consideração era também das mais variadas.

Egito antigo: o intérprete superior.

Já no ano 1350 a.C. podemos encontrar evidência da existência destes profissionais em uma famosa imagem da tumba de Tutancâmon, na qual um personagem aparece desdobrado sussurrando de um lado para um embaixador assírio e do outro para o Faraó, mostra que o intérprete já naqueles tempos desempenhou um papel importante como mediador linguístico. Os primeiros testemunhos sobre esta profissão têm mais de 5.000 anos e incluem a sua intervenção crucial como guias comerciais, no campo militar e na administração central de Memphis.

Não foi em vão que aqueles capazes de prestar serviços linguísticos gozaram de grande estima, e mesmo os faraós chegaram ao ponto de conceder títulos de Intérprete Superior, títulos de grande relevância que se tornaram hereditários. Embora, em princípio, escravos e reféns fossem usados para exercer esta profissão, já no Império Médio começaram a eleger os filhos da nobreza egípcia, que haviam sido educados no exterior e os filhos de príncipes estrangeiros para exercer estas funções. No Novo Império, Heródoto confirma que as crianças egípcias foram entregues aos povos Jônico e Varic para aprenderem grego e depois dedicarem os seus esforços ao trabalho diplomático e comercial com cretenses e fenícios.

camelo

Quando o Egito caiu nas mãos dos árabes, longe de desaparecer, os intérpretes se encarregaram de islamizar o território.

Grécia e Roma: diferentes perspectivas de interpretação.

Também podemos encontrar vestígios desta profissão nas antigas civilizações grega e romana, embora a reputação desfrutada pelos nossos colegas na antiguidade fosse bastante diferente. Enquanto no Império Romano eram figuras-chave na comunicação entre o Império, as colônias e os territórios conquistados, na Grécia helênica não gozavam de nenhum prestígio, pois embora garantissem o contato com os povos subjugados, os gregos se consideravam muito superiores aos povos bárbaros e esperavam que aprendessem seu idioma.

A Idade Média: o trujamán.

No âmbito das Cruzadas já podemos ver o intérprete em tarefas completamente diplomáticas, mas um dos papéis destes intérpretes irá desenvolver-se e evoluir durante a Idade Média para dar origem ao que conhecemos como trujamán ou dragomán. Estes intérpretes tinham características especiais e o seu papel na Idade Média estava mais relacionado com a esfera econômica e comercial do que com a esfera diplomática. A mudança da hegemonia política no Mediterrâneo dos reinos árabes para os povos cristãos levou à necessidade de manter relações internacionais entre duas culturas muito diferentes. A partir daí, o papel do trujamán será o de um intermediário linguístico entre os diferentes estados e colônias árabes e europeus.

O papel do intérprete também será crucial na conquista do Novo Mundo, onde encontraremos uma das primeiras intérpretes da época: Malinche. A história conta que esta princesa asteca, que falava tanto Maia como Nahuatl, foi dada ao nosso grande conquistador Hernán Cortés depois da batalha de Centla. Graças ao seu bilinguismo, será intérprete, conselheira e intermediária de Cortés e ajudará no processo de acusação de Montezuma e posterior execução.

malinche

A Idade Moderna.

A hegemonia do latim prevaleceu até o século XVIII e a Paz de Vestefália, quando o francês se tornou a língua oficial da diplomacia até o fim da Primeira Guerra Mundial. Já no século 19, os Estados Unidos começarão a se revelar como uma grande potência econômica, e o inglês ganhará terreno. Consequentemente, a importância dos intérpretes aumentará nas esferas política e econômica e, pela primeira vez, deixaram de ser anônimos.

O período entre guerras.

Este período será a antecâmara e, portanto, a origem da interpretação tal como a conhecemos hoje. O papel do intérprete de conferência surgirá e a relevância da profissão atingirá o seu auge histórico.

Sua gênese, portanto, pode ser encontrada na Primeira Guerra Mundial. É neste momento que surge uma necessidade urgente de pessoas que possam servir de elo entre unidades militares que falavam línguas diferentes. Então, apareceram os “intérpretes” de guerra, cujo papel será crucial no curso da guerra. Alguns deles atuaram como mediadores na Conferência de Paz de Paris em 1919, na qual os representantes dos quatro países vencedores se reuniram para discutir uma série de questões que culminaram com o conhecido Tratado de Versalhes e a fundação da Liga das Nações.

intérpretes.jpg

Os intérpretes de guerra são essenciais durante as guerras e as conferências de paz.

Nestas reuniões, o inglês e o francês serão considerados línguas oficiais e os “intérpretes” serão responsáveis pela transmissão dos discursos dos oradores através da interpretação consecutiva. O papel destes intérpretes será crucial e, pela primeira vez, os seus nomes ficarão na história e a importância da profissão de intérprete será elevada. Um deles, Antoine Velleman, fundará mais tarde a Escola de “Intérpretes” de Genebra, e outro, Jean Herbert, será encarregado de recrutar a primeira equipe de intérpretes profissionais para a primeira Assembleia Geral da então Liga das Nações.

Em 1926, foi emitida a primeira patente de equipamento de “interpretação simultânea”. O sistema será chamado de “Hushaphone Filene-Finley IBM” e será usado pela primeira vez na Conferência Internacional do Trabalho de 1927. Subsequentemente, as assembleias da Liga das Nações de 1931 e 1932 tentaram testar a validade do processo de interpretação simultânea, embora o sistema só termine dez anos mais tarde.

Os Juízos de Nuremberg e a “Interpretação Simultânea”.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, as Nações Aliadas empreenderam uma série de processos judiciais com o objetivo de determinar e sancionar as responsabilidades dos líderes, funcionários e colaboradores do regime nacional-socialista de Hitler. Este processo, conhecido como os Julgamentos de Nuremberg, envolveu os quatro países vitoriosos e derrotados: os Estados Unidos, Grã-Bretanha, União Soviética e França, por um lado, e Alemanha, por outro. Não surpreendentemente, diante de tal diversidade linguística, a eficácia da interpretação consecutiva foi posta em questão, a que também previa uma duração infinita.

juicio

Nos juízos de Nuremberg foi utilizada a interpretação simultânea e nasceu a profissão de intérprete de conferência.

Por conseguinte, foi proposta a utilização do método da “interpretação simultânea”, que acabaria por ser o método escolhido e daria origem ao bem conhecido oficio deintérprete de conferência.

Evidentemente, desde então até hoje, a evolução e desenvolvimento deste tipo de “interpretação” tem sido surpreendente, não só em termos dos elementos utilizados atualmente para realizar esta tarefa (cabinas, microfones, equipamentos), mas também em termos da preparação, formação e profissionalismo dos nossos colegas “intérpretes”.

Todos os dias, o trabalho de milhares de intérpretes em todo o mundo preenche páginas neste livro dinâmico e infinito que representa a História da Interpretação.

Por Beatriz Puerta

tradutores intérpretes
11961967185

No cérebro de um intérprete que acontece? Neurocientistas opinam

post  08 /10 /2019

betocammpos

Os neurocientistas têm pesquisado há décadas e têm produzido numerosos estudos sobre falantes multilíngues,“tradutores e intérpretes”.

No entanto, entender esse processo, o de interpretação simultânea, é um desafio científico ainda maior.

Há tantas coisas que acontecem no cérebro de um “intérprete” que é difícil saber por onde começar.

Apesar das dificuldades, recentemente, um punhado de entusiastas aceitou o desafio e há uma região do cérebro, o núcleo caudado, que tem atraído especialmente a atenção desses cientistas.

Esta não é uma área especializada em linguagem; os neurocientistas sabem disso por causa do papel que ela desempenha em processos como a tomada de decisão ou confiança.

Ele é mais como um maestro de orquestra, coordenando a atividade de muitas regiões do cérebro para produzir comportamentos surpreendentemente complexos.

Isso significa que os resultados desses estudos de desempenho parecem nos levar de volta a uma das ideias mais importantes que surgiram da neurociência nos últimos 20 anos.

É agora claro que muitas das nossas capacidades mais sofisticadas são possíveis, não devido a regiões especializadas do cérebro dedicadas a tarefas específicas, mas devido à coordenação muito rápida entre as áreas que controlam as tarefas mais gerais.

Tarefas como movimento e audição.

Parece que a interpretação simultânea só é possível graças à conexão interna Presente nos nossos cérebros.

Mas se procurarmos compreender o que acontece no cérebro de “tradutores como  Maria Cristina Achcar, tradutora, intérprete espanhol m- português”, é ainda mais intrigante; pois consegue interpretar e simultaneamente escrever uma mensagem ou e-mail, ou buscar um termo no dicionário, por exemplo. Isso parece acontecer porque quanto mais exigimos do cérebro, mais ele responde, é um mistério que a ciência parece ainda não ter conseguido decifrar

betocammpos

tradutores intérpretes do Brasil

Procurando por Tradutores, intérpretes em São Paulo, intérpretes de inglês, intérpretes de espanhol, tradutores em São Paulo, intérpretes em São Paulo, o melhor e mais completo site de traduções, os melhores intérpretes de São Paulo

tradutores

Tradutores e intérpretes do Brasil

profissionais experientes em.

Interpretação de conferências
Festivais de cinema
Negociações multilaterais
Interpretação consecutiva
Interpretação simultânea
Interpretação de acompanhamento ad hoc”
tradutores e intérpretes

“transcrições áudio em texto”

tradutores intérpretes

11961967185

Procurando por “Tradutores  intérpretes em São Paulo” ,”intérpretes de inglês, intérpretes de espanhol, tradutores em São Paulo, intérpretes em São Paulo”, o melhor e mais completo site de traduções, os melhores “intérpretes de são Paulo”, o melhor custo benefício, consulte prazos, aulas de português, aulas de espanhol, aulas online e de português, cursos de inglês , cursos de espanhol para estrangeiros, atendemos em todo são Paulo a domicilio, Portuguese for Foreigners, profissionais qualificados, intérpretes.

Tradutores intérpretes do Brasil

Dificuldades na hora de interpretar: piadas ou trocadilhos:

chistes

Dificuldades na hora de interpretar: piadas ou trocadilhos:

São situações pelas quais você terá que passar como tradutor e intérprete, que resultam muito desagradável para qualquer profissional da área de interpretação.

Jogos de palavras, ironia ou piadas com elementos culturais específicos representam o pesadelo de qualquer intérprete.

Um artigo acadêmico cita que: “Os intérpretes não devem tentar traduzir jogos de palavras baseados em uma única palavra que tenha múltiplos significados no idioma de origem, já que o resultado provavelmente não será engraçado.

O ideal – muitas vezes – é tentar buscar o jargão equivalente no idioma de chegada.

O que devemos buscar é – no contexto de uma “interpretação simultânea ou consecutiva” – tentar encontrar vídeos ou material relativo ao palestrante que será traduzido; normalmente se a pessoa tem o hábito de “contar piadas” ou fazer trocadilhos isso é parte de seu estilo quando se apresenta, então muito provavelmente ele ou ela manterá esse estilo no momento em que for se apresentar para o público do qual nós, como intérpretes, faremos parte. Os espanhóis e os americanos são dois bons exemplos disso.

Tradutores e intérpretes do Brasil

Um terço da população mundial entende inglês

banderas

El idioma Inglês é, sem dúvida, o mais usado nos negócios e pesquisas.

Admite-se que mais de um terço da população mundial entende inglês. O inglês para negócios vem conquistando as esferas econômicas em nível internacional. O inglês é também uma das línguas oficiais de muitas organizações internacionais.

Os exemplos incluem as Nações Unidas, a União Europeia, a Organização Mundial do Comércio e a Organização do Tratado do Atlântico Norte. O uso do inglês é comum em muitas áreas. Em todo o mundo, a língua de Shakespeare é inevitável, tanto administrativa como comercial e financeiramente.

Por outro lado, o seu papel na sociedade e na educação está se tornando cada vez mais predominante.

 A multiplicação de escolas bilíngues que ensinam tanto na língua materna como em inglês e o seu ensino desde as primeiras idades até à universidade é prova disso; seja qual for o país em que você decida começar seu negócio, no Reino Unido, EUA, Canadá, Austrália, Nova Zelândia ou ainda qualquer outro país onde você não saiba o idioma(como países asiáticos e até árabes por exemplo), ter um bom domínio do inglês o ajudará no seu caminho para o sucesso.

tradutores de inglês

tradutores e intérpretes de Espanhol Inglês

 

Voluntários intérpretes nos grandes eventos

voluntarios

Embora o pessoal voluntário seja frequentemente utilizado, por exemplo, Olimpíadas Copa do Mundo, ou qualquer outro evento internacional, isto não significa que os candidatos a voluntários não devam ser profissionais. Afinal, ninguém permitiria que uma pessoa que não tem o conhecimento necessário para servir como um médico, o faça, já que para isso se requer o conhecimento e treino necessários.

O mesmo se aplica aos profissionais da tradução: aqueles que os contratam ou os aceitam como voluntários devem garantir que dispõem realmente dos conhecimentos e ferramentas necessários para fornecer traduções e interpretações exatas e de qualidade.

Nesses casos a experiência de um tradutor intérprete se faz necessária, acompanhada de um curriculum – elemento de grande importância.

Todas as informações que serão colocadas no CV (Curriculum Vitae) devem ser legitimas.

Uma má tradução ou um mau trabalho de interpretação pode causar tudo, desde mal-entendidos num acordo comercial até maus resultados na aplicação de tratamento médico, conflitos diplomáticos ou até mesmo conflitos bélicos.

Os tradutores e intérpretes devem ser sempre imparciais e fiéis ao texto original; devem limitar-se a traduzir apenas o que o orador diz, nem mais nem menos.

(Embora seja difícil acreditar que em eventos dessa envergadura não tenham dinheiro para pagar a profissionais e tenham que recrutar somente voluntários para desempenhar essa tarefa; afinal estamos falando de milhões gastos nesse tipo de evento, e pagar a profissionais não só daria aos pagantes um serviço de excelência, mas também estimularia a que os que desejam trabalhar nessa área se preparem um pouco mais – já que o fato de “saber falar” um idioma não credita que a pessoa saiba “traduzir” o que está sendo dito)

 Tradutores

“tradutores e intérpretes Brasil”

O que acontece no cérebro dos Intérpretes em ação?

 

Moser-Mercer, uma intérprete profissional fluente em alemão, inglês e francês, treinada como intérprete antes de ser seduzida pela neurociência.

“Estou muito intrigada por saber o que se passa no meu cérebro enquanto interpreto”, diz ela. “Pensei que tinha de haver uma maneira de descobrir.

neuri intérprte

Quando ele chegou na Universidade de Genebra em 1987, não havia como fazê-lo, o Departamento de Interpretação estava preocupado com a formação, não com a pesquisa. Então ela se dedicou a criar uma, colaborando com seus colegas neurocientíficos.

“A linguagem é uma das funções cognitivas mais complexas do ser humano”, diz Narly Golestani, chefe do laboratório de neurociência e linguagem da universidade, na minha recente visita. “Muita pesquisa tem sido feita sobre o bilinguismo. A interpretação vai um passo além, porque ambos idiomas estão ativos ao mesmo tempo. E não apenas numa modalidade, porque você percebe e produz ao mesmo tempo. Desta forma, as regiões do cérebro envolvidas trabalham a um nível muito elevado, para além do nível da língua.

neuro

Em Genebra, como em muitos outros laboratórios de neurociência, utiliza-se a ressonância magnética funcional (RMf). Usando estas imagens, os pesquisadores podem observar o cérebro enquanto ele executa uma determinada tarefa. Aplicado à interpretação, já revelou a rede de áreas cerebrais que tornam este processo possível. Uma dessas áreas é a de Broca, conhecida pelo papel que desempenha na produção da linguagem e na memória de trabalho, função que nos permite manter o controle do que pensamos e fazemos. Esta área também está relacionada a regiões vizinhas que ajudam a controlar a produção e a compreensão da linguagem.

“Na interpretação“, quando uma pessoa ouve algo e tem que traduzi-lo e falar ao mesmo tempo, há uma interação funcional muito forte entre essas regiões”, diz Golestani.

Há muito mais regiões que parecem estar envolvidas e há infinitas conexões entre elas. A complexidade desta rede dissuadiu Moser-Mercer a abordar a todos de uma só vez; desvendar o trabalho de cada componente poderia ter sido demais.funciones cognitivas

Em vez disso, os pesquisadores em Genebra tratam cada elemento como se fosse uma caixa preta, e se concentram em entender como as diferentes caixas estão ligadas e coordenadas. “Nossa pesquisa busca entender os mecanismos que permitem ao intérprete controlar esses sistemas simultaneamente”, diz um membro da equipe chamado Alexis Hervais-Adelman.

Duas regiões do estriado, o antigo núcleo do cérebro, se elevaram para ser responsáveis por esta função de gerenciamento executivo: o núcleo caudado e o putamen. Os neurocientistas já sabiam que estas estruturas desempenhavam o seu papel em outras tarefas complexas, incluindo a aprendizagem, bem como o planejamento e a execução de movimentos. Hervais-Adelman e os seus colegas afirmam que este fato significa que não existe uma única área do cérebro dedicada exclusivamente ao controle da interpretação.

Como no caso de muitos outros comportamentos humanos estudados pela RMf, parece que a interpretação ocorre através da intervenção de múltiplas áreas, e as áreas do cérebro que controlam o processo são gerais, não específicas.

mondogit

tradutores e intérpretes

tradutores e intérpretes do Brasil